Pesquisa Dentaria.com
  Artigos
  Educação e Formação
  Apoio Bibliográfico Gratuito
  Em@il Profissional
  Classificados
  Médicos Dentistas
  Congressos
  Especialidades
  imagens
  Jornais e Revistas
 
 
  7 de Fevereiro de 2023
  75 Utilizadores online
Utiliza o odontograma do software informático da sua clínica?
  Sim
  Não
   
O Dentaria.com lançou um Fórum aberto a toda a comunidade! Participe nos temas em discussão ou abra novos temas!
 
. Ordem dos Médicos Dentistas

. Tabela de Nomenclatura e Valores Relativos (Tabela de Honorários)

. Decreto de Lei que aprova o regime de licenciamento e de fiscalização das clínicas e dos consultórios dentários, como unidades privadas de saúde

. Simposium Terapêutico Online (MediMedia)



 

Publicidade

O Dentaria.com foi-lhe útil? Contribua com um DONATIVO!


Farmácia troca remédios
Noticia adicionada à base de dados do Dentaria.com a 2002-12-28


Na próxima semana, os medicamentos receitados por um médico já podem ser substituídos nas farmácias por genéricos, 35 por cento mais baratos. Para isso será também aplicado a partir de 1 de Janeiro o novo modelo de receita em que o profissional, quando não prescreve genéricos, assinala com uma cruz os produtos em que permite a substituição na farmácia.

No entanto, até dia 20 de Janeiro, será permitida a coexistência das duas receitas – a nova e a antiga. A partir de dia 20, o Ministério da Saúde apenas aceitará que os médicos usem o novo modelo. Certo é que médicos e indústria farmacêutica podem vir a inviabilizar o efeito das medidas pretendido pelo ministro da Saúde.

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica vai lançar em Janeiro uma campanha televisiva para alertar os médicos para o perigo de as suas prescrições serem alteradas e para avisar a população que o médico é que conhece os fármacos. Uma campanha que irá coincidir no tempo com uma outra do Estado sobre genéricos, que irá novamente para o ar no dia 20 de Janeiro. O doente irá, assim, ver na televisão duas campanhas: uma a favor dos genéricos; outra a explicar que não há medicamentos de primeira e de segunda. A Ordem dos Médicos, por seu lado, pode vir a aconselhar os médicos a nunca autorizarem a substituição. Aliás, uma atitude já tomada pelo presidente da secção regional do norte da Ordem, Miguel Leão.

Com as novas regras, o Estado irá poupar 60 milhões de euros por ano. Os utentes, esses, podem ser obrigados a pagar muito mais do seu bolso. Isto devido à nova forma de comparticipação que entrará em vigor em Março de 2003, que encarece os fármacos de marca.

MEDICAMENTOS DE MARCA MAIS CAROS

Para tentar levar os médicos a receitar e os doentes a optar pelos genéricos, o Ministério da Saúde decidiu introduzir uma nova forma de comparticipar os medicamentos dos grupos terapêuticos onde existem genéricos no mercado, que entra em vigor a 9 de Março.

A estratégia foi diminuir a ajuda do Estado aos produtos de marca, tornando-os mais caros para os doentes. A fórmula é simples: A comparticipação dos medicamentos passa a ser feita com base no preço do genérico mais caro de cada grupo terapêutico e não com base no preço de venda ao público dos vários produtos de marca, como actualmente.

Uma simulação: no grupo da substância activa paracetamol, se o preço do genérico mais caro for, por exemplo, 5 euros, passa a ser este o preço com base no qual o Estado vai comparticipar. Com isto, um fármaco de marca composto por paracetamol que agora tenha uma comparticipação de 70% e custe dez euros, deixa de ter a actual ajuda estatal de sete euros ( 70% de dez euros) e passa a ter apenas 3,5 euros (70% de 5 euros).

Significa isto que se o médico não permitir a substituição, os portugueses terão de pagar muito mais do seu bolso.

OBJECTIVOS DA NOVA RECEITA

QUANTIDADE

A substituição na farmácia e a nova forma de comparticipação são inicialmente aplicadas apenas a 961 remédios dos 7627 que existem, por serem os grupos onde existem genéricos. A medida pode diminuir os gastos com fármacos: hoje, segundo um estudo, cada português gasta, em média, 300 euros por ano em medicamentos.

RENOVÁVEL

A nova receita - para além de permitir que o médico assinale com uma cruz os medicamentos em que permite a substituição e em que não permite - vai também ter um espaço onde o profissional a pode validar por seis meses. Trata-se da receita renovável para os doentes crónicos que passam a ter uma prescrição para seis meses.

autor Catarina Guerreiro
in Correio da Manhã
www.correiomanha.pt

Dentaria.com © 1999 - 2002, Todos os direitos reservados.
Toda a informação apresentada é propriedade do Dentaria.com não podendo ser total ou
parcialmente reproduzida sem a devida autorização. Contacte a equipa Dentaria.com